Dívida e Covid: a recuperação não deve ocorrer às custas dos trabalhadores e dos serviços públicos

 Dívida e Covid: a recuperação não deve ocorrer às custas dos trabalhadores e dos serviços públicos

Enquanto os funcionários do serviço público dão tudo para salvar vidas, os gastos públicos estão salvando todo o nosso sistema econômico global do colapso: resgatando empregos, mantendo salários e ajudando muitas empresas que estão em movimento abeira da falência. Embora esse gasto essencial seja feito hoje, por nossos governos, o debate sobre como lidar com a dívida gerada pela crise de Covid será de vital importância para sindicatos e trabalhadores na próxima década.

Devemos fazer todo o possível para evitar os erros da crise econômica de 2008: depois que os governos assumiram bilhões em dívidas insolventes do setor privado, grandes corporações se beneficiaram da redução de impostos, resgates e resgates, recompra de ações.

Enquanto os trabalhadores enfrentavam salários congelados, execuções duma hipoteca e a austeridade que destruía nosso setor público. Devemos evitar a catástrofe que as instituições financeiras internacionais impuseram à Grécia: destruir a vida das pessoas, bem como qualquer esperança de recuperação econômica com uma devoção cega à austeridade desacreditada.

A crise atual destaca a necessidade urgente de reconstruir um setor público forte e resiliente. Nossos serviços públicos, que têm sofrido um enorme ônus com os cortes de gastos e a pandemia, devem ser reforçados por aumentos expansivos em termos de financiamento e apoio.

Enquanto isso, com a estimativa da OIT de até 195 milhões de perdas de empregos relacionadas ao Covid, precisamos ampliar os programas de segurança social para garantir que ninguém seja deixado para trás, limitando assim a raiva e a alienação justificadas, que ajudou a alimentar a extrema direita.

Pagar por esses programas exigirá mais do que apenas dívida: para aumentar a receita pública, as principais empresas que coletaram grandes quantias desde 2008 devem pagar sua parcela justa de impostos por meio de reforma tributária internacional. Fazer com que multinacionais e mega-ricos contribuam para o custo da crise e a recuperação deve ser um objetivo fundamental do movimento sindical.

As empresas de tecnologia que faturaram bilhões esquivando-se de seus impostos e violando os direitos de seus trabalhadores e que agora estão ganhando muito dinheiro desde que o parto deve ser o primeiro da lista. Impostos sobre grandes fortunas são urgentes para garantir que aqueles que se beneficiaram da economia global nos últimos 20 anos paguem sua parte justa.

Após décadas de desregulamentação, corrupção, privatização e cortes de impostos para empresas multibilionárias, muitos países, especialmente os do mundo em desenvolvimento, já estavam enfrentando dívidas antes do surto de coronavírus.

Segundo o FMI, 34 países já corriam o risco de ter problemas de dívida ou inadimplência em 2019. A comunidade internacional deve intervir para apoiar financeiramente os países que atualmente não podem aumentar seus gastos sem incorrer em dívidas ainda mais insustentáveis.

Alguns passos já foram dados nessa direção:

  • O FMI e o Banco Mundial estão concedendo empréstimos a mais de 100 países para lidar com a crise.
  • O FMI aprovou o cancelamento do serviço da dívida de 25 países por seis meses
  • O G20 anunciou a suspensão dos pagamentos do principal e dos juros da dívida para os países em desenvolvimento mais pobres até o final do ano

No entanto, essas medidas não são soluções sustentáveis ​​nem eficazes para as questões mais profundas da dívida do mundo em desenvolvimento. Em vez disso, devemos apoiar os pedidos de um jubileu da dívida: um cancelamento insustentável da dívida e o cancelamento de todos os pagamentos da dívida externa com vencimento em 2020 e 2021. Isso deve abranger todos os credores externos, tanto os oficiais como os privado e a todos os países dabaixa renda. Além disso, devemos apoiar o financiamento de emergência para os países em desenvolvimento na forma de doações, em vez de empréstimos.

A longo prazo, os sindicatos devem apoiar mudanças sistêmicas na governança global da dívida. Devemos parar de colocar as necessidades dos credores acima das necessidades das pessoas. Qualquer análise do pagamento da dívida deve colocar a realização dos direitos humanos como sua principal prioridade. Devemos apoiar os apelos a um mecanismo de resolução de dívida que garanta transparência, independência de devedores e credores, bem como participação inclusiva de todas as partes interessadas, em vez dos procedimentos ad hoc e obscuros que existem atualmente..

Não podemos voltar aos negócios insustentáveis ​​que governavam dívidas e impostos antes desta última crise. Trabalhadores e usuários de serviços públicos não devem mais suportar o peso da reestruturação da dívida. Agora, mais do que nunca, os sindicatos devem estar preparados para lutar por um sistema de dívida global mais justo e garantir que empresas e empresas paguem sua parte justa.

A Public Services International preparou uma série de relatórios de dívidas e trabalhadores para ajudar os sindicalistas a entender essas questões e desenvolver estratégias para um novo sistema. Acesse-os, aqui online, juntamente com um Relatório Especial sobre Dívida e Covid.

 

Por Daniel Bertossa (Secretário Geral Adjunto) e

Virginia Palomba (Assistente de Projeto e Política),

Serviços Públicos Internacionais

Imprensa