Os Profissionais de Saúde são os mais infectados pelo COVID-19

 Os Profissionais de Saúde são os mais infectados pelo COVID-19

No último boletim epidemiológico emitido pelo Ministério da Saúde foi divulgado dados alarmantes sobre profissionais de saúde infectados por coronavírus e que prestam assistência direta à população, demonstrando que estes estão no fronte de batalha, desde o início,  mas não tem proteção suficiente e nem adequada contra a exposição ao vírus que se alastra no país.

Os dados informam que as profissões com maior registro de casos foram as dos técnicos e auxiliares de enfermagem (59.322), seguido dos enfermeiros (25.777), médicos (19.696), Agentes Comunitários de Saúde (7.686) e recepcionistas de unidades de saúde (7.350).

No gráfico temos também outros profissionais que atuam com a saúde pública, que em menor número também estão se contaminando e, muitas vezes, perdendo suas vidas.

Foram confirmados 697 casos de trabalhadores que apresentaram um quadro grave da doença de Covid-19, e necessitaram de internação hospitalar. Os técnicos e auxiliares de enfermagem estão entre os mais afetados, com 248 casos, seguido dos médicos (150) e enfermeiros (130). Além disso, 138 mortes foram registradas por Covid-19 entre os profissionais da saúde de acordo com o Boletim. Porém o Observatório de Enfermagem registrou até hoje o número de 249 óbitos de trabalhadores de Enfermagem no Brasil.

A direção do SEESP vem atuando constantemente com ações jurídicas e políticas para assegurar o cumprimento das normas de segurança em saúde e precauções para essa nova situação de pandemia.

Entre os instrumentos utilizados pelo sindicato estão liminares por via de ação civil pública, denúncia no Ministério Público do Trabalho e no MP, dissídio jurídico, mediações nas gerências regionais do trabalho, os quais são utilizadas essas formas de garantir o cumprimento de precauções e prevenções, tais como: realizar testes com mais assiduidade, para prevenir e resguardar a vida dos profissionais enfermeiros, o uso e fornecimento de EPI de qualidade e quantidade suficiente, horas de descanso e folga.

Imprensa

Deixe uma Respota

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *