Prefeitura estabelece convênio com Casa Ângela

 Prefeitura estabelece  convênio com Casa Ângela

Nesta quinta-feira, dia 19, a Prefeitura através da Secretaria Municipal de Saúde vai formalizar convênio com a Casa Ângela Centro de Parto Normal Humanizado, situada no Jardim São Luís, zona sul de São Paulo. O prefeito Fernando Haddad participará da solenidade de assinatura, que vai integrar essa unidade ao atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Com média de 25 atendimentos mensais com o convênio passará a oferecer 30 atendimentos mensais. Os serviços incluem acompanhamento pré-natal (consultas, cursos, oficinas e trabalho corporal), assistência ao parto natural, atendimento de pós-parto, visita domiciliar, consultas de puericultura, incentivo e apoio ao aleitamento materno com posto de coleta, cursos mãe-bebê e oficinas que se estendem até o 1º ano de vida.

O parto humanizado é uma prioridade do mandato da vereadora Juliana Cardoso (PT), que teve atuação junto ao executivo para estabelecer o convênio. Além disso, ela é autora da Lei 14.966/09 que instituiu o Programa Mãe Canguru e a Lei 15.945/13 do Centro de Parto Normal/Casas de Parto na rede municipal. Está em tramitação o PL 380/14 que também garante a presença de doulas às gestantes.

Duas casas na cidade

A cidade possui apenas duas casas de parto. A única da Prefeitura no Sapopemba é administrada pela SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina). E a outra é a Casa Ângela, vinculada diretamente à entidade Monte Azul e que funciona com financiamentos internacionais concedidos às Organizações Sociais (OS).

Inaugurada em 1997, a Casa Ângela recebeu esse nome em referência a parteira alemã Angela Gehrke que chegou ao Brasil em 1983 para trabalhar na área de saúde, se dedicando ao acompanhamento da gravidez, do parto e do pós-parto das mulheres da favela Monte Azul, na zona sul. Uma das pioneiras do movimento pela humanização do parto no Brasil, Ângela faleceu em 2000.

O trabalho da parteira alemã constitui um importante legado e até hoje continua inspirando mulheres de todas as classes sociais, profissionais de saúde e pessoas dedicadas à elaboração de políticas públicas em prol da humanização do parto no Brasil.

Tentativas de Convênios

Em 2003 a Associação Comunitária Monte Azul, em cooperação técnica com o Hospital Municipal do Campo Limpo e com a Secretaria Municipal da Saúde elaborou o projeto. Para isso, realizou um levantamento da situação da assistência materno-infantil na região sul em termos de oferta e de qualidade. Foram encontrados números alarmantes: taxa de cesárea por volta de 50%, taxa de mortalidade materna acima da média do município, além de altos índices de prematuridade e baixo peso ao nascer. Analisando esses indicadores, chegou-se à conclusão de que existia demanda por uma casa de parto na região.

Em 2004 houve entendimento com a Secretaria Municipal de Saúde para incluir a Casa Angela no Programa Saúde da Família por convênio. Em contrapartida a entidade, com a ajuda de parceiros internacionais, assumiria os custos com as obras de construção e a aquisição de equipamentos.
A Casa Angela começou a funcionar parcialmente em 2009, quando foram realizadas 734 consultas de pré-natal e 369 de pós-parto (incluindo visitas domiciliares e orientação em planejamento familiar). Os grupos de apoio, oficinas e palestras para gestantes e pais atraíram 763 participantes. Além disso, 60 adolescentes foram atendidos a cada semana no programa de educação sexual “Jovens Tecendo”.
No entanto, após mudanças na gestão municipal seguiram-se cinco respostas negativas da Secretaria. Ainda em 2009, a Prefeitura alegou que não existia demanda pelo serviço de uma casa de parto nessa região.

Fonte: Gabinete Vereadora Juliana Cardoso