SEESP participa de debate sobre Saúde e Terceirização na Comissão de Direitos Humanos

 SEESP participa de debate sobre Saúde e Terceirização na Comissão de Direitos Humanos

Uma delegação formada por enfermeiros da base e pelos diretores do Sindicato dos Enfermeiros do Estado de São Paulo (SEESP), Anuska Schneider, Ana Firmino, Péricles Batista, Josefa Bezerra e Ivonildes Ferreira da Silva participou de uma audiência pública realizada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) na última terça-feira (14) em Brasília – DF.

Com o tema “Saúde e Terceirização” a audiência pública foi convocada e presidida pelo senador Paulo Paim (PT-RS), que justificou a necessidade de trazer a tona o fato de que a terceirização da atividade-fim, tal como a enfermagem, pode ser um fator que coloca vidas em risco. Segundo o senador, este debate também é importante para que se busque  garantir melhores condições de trabalho para aqueles profissionais que já são terceirizados e garantir uma assistência de qualidade.

Aspectos sobre o PLC 30/2015, que prevê a regularização da terceirização no Brasil, foram apontados e analisados por outros participantes da audiência, que enfatizaram o fato dos profissionais terceirizados serem mais suscetíveis a treinamentos insuficientes ou, até mesmo, à falta de treinamento;  e que o crescimento da mão de obra com estas condições no serviço de saúde irá precarizar o atendimento à população.

A vice-presidente da Federação Nacional dos Enfermeiros (FNE), Shirley Marshal,  afirmou que a terceirização é um desrespeito dos direitos conquistas pelos trabalhadores com muita luta e que isso só piora as condições de trabalho e de vida dos profissionais que já estão adoecidos, em função de estarem submetidos a longas jornadas e a prática nefasta de assédio moral e violência laboral.

Já a diretora do SEESP, Ana Firmino, lembrou que a saúde é consolidada em três pilares fundamentais: saúde, previdência e assistência. Ressaltou também a posição contrária da entidade sobre a entrada de capital estrangeiro na saúde do país, e da quebra de contrato de empresa terceirizadas com o sindicato, dificultando a representatividade e execução judicial de verbas rescisórias dos trabalhadores desligados de suas funções. A regulamentação, da terceirização na saúde, como Ana afirmou, faz cair por terra princípios consagrados na Constituição Federal.

 “É uma facada contra os trabalhadores! Não podemos aceitar que a saúde seja sucateada desta forma. A rotatividade, no caso de enfermeiros terceirizados, além de causar desgaste físico-emocional, induz mais ausências e a adoecimentos, por consequência, uma equipe de enfermagem defasada e às vezes até com uma gestão ineficiente. Aceitar que isso aconteça em nossos hospitais é permitir que o Estado transfira sua responsabilidade de cuidar do cidadão para terceiros e que nossos trabalhadores sofram reduções salariais e aumento de assédio moral”, comentou Ana Firmino.

1720cb2220167c83f14f4c47076122f2 ee6c86e2a235027dcdede781280569bb c9cd509fb79369936ecb868127fa2ae6 1a76b3dda6c073e546fc5441dc1674d1 ea7c8034ecc7a500762398293b159ee0 b5f3086c624869b5ccc6439b6a6e7af7 3b12f361054d70a20e6151fffad5327b 309eeb9dd23275b21c991e8c140af30a c47f6701a6b267ce356f861b0a675681 d195e6e4949168d5df3e8a7b81db5990 50f631527a35302f7e3e8217cd64239d db8ecef19ecdc791f6244dd31cee6a4e 22526801e90bdfd2a889522d6e9bc914 a6b61066e400e5ad1f5030e7726c1a79 529aeaaa3083d800a36af612e8708609 a00e8780b80f6b0a68c0db01812c5360 a702aeca8891d6eb32b154dadd31b4f2 49860185689ea873ce2287adf180a760 4afc89173a19f3a5966849ea1ce9d798 59dfc79bc8e1025fb46a141833c4a954 68ab7d5e7ece523bb2bf33677d581f74 3d27a221c653afed5e71e4d6a130166d